Zakk Sabbath em justa homenagem aos pais do Heavy Metal no Circo Voador

Views:

Fotos por Luciana Pires

Uma verdadeira homenagem ao Heavy Metal e a seus criadores, o Black Sabbath. É como podemos encarar o magnífico show da banda, criada pelo guitarrista de longa data de Ozzy Osbourne e Black Label Society, Mister Zakk Wylde, juntamente com o baixista Rob Blasko(Ozzy, ex Rob Zombie) e o baterista Joey Castillo( ex Danzig, Queens of The Stone Age).


O que presenciamos nessa sexta dia 17, no Circo Voador-RJ, foi algo para fãs do recém finando quarteto de Birmingham jamais esquecer. Os pais do Heavy Metal foram homenageados com uma grandíssima performance de Zakk e seus asseclas. 

Com um set list muito bem elaborado e contando somente com sons da fase Ozzy, a banda simplesmente botou o lotado Circo Voador abaixo. Bastou os primeiros acordes de “Supernaut” para que o frenesi tomasse conta de todos presentes. Todos ali sabiam que o jogo já estava ganho, devido ao grande número de fãs de Zakk no Brasil e também pela qualidade que o músico apresenta em todos os seus trabalhos. 

A sequência com o clássico “Snowblind” mostrou o porquê de Zakk ser um dos melhores guitarristas do mundo, mostrando um domínio sobre a guitarra absurdo de se ver, solando com a guitarra nas costas como se fosse a coisa mais simples do mundo. Você já pode o ter visto em ação em diversos shows, mas mesmo assim sempre será assombroso vê-lo tocar. Algo que chamou atenção nesse show foi a escolha do repertório, pois algumas músicas não tão conhecidas foram inclusas. Ouvir uma música como “ A Nacional Acrobat”, clássico do “Sabbath Bloody Sabbath”, ser tocada foi surreal. 

Quando a intro “Embryo” começou a rolar no P.A o Circo Voador quase foi ao chão, pois a seguir veio o mega clássico “Children of The Grave”, com seus riffs destruidores em uma pesadíssima versão da banda. O seu poderoso riff no meio da música nos mostra mais uma vez o porquê de Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, ser o mestre dos riffs de guitarra do Heavy Metal. Fico imaginando o impacto que isso teve nos anos 70.  Continuando com o disco Master of Reality, a banda ataca com “Lord Of This World”, mais uma grata surpresa no set, e com o batera Joey Castillo descendo a mão sem dó na bateria. “Under The Sun” veio nos mostrar o porquê do Black Sabbath ser um dos grupos mais venerados do Rock/Metal em geral. Seu peso, Riffs e andamento são obras de uma banda muito à frente do seu tempo. Com certeza um dos grandes destaques da noite, com sua parte final sendo cantada por todos os presentes. “Wicked World”, uma das músicas onde mais vemos a influência de jazz na música do Sabbath, foi tocada em uma magistral versão. Algo que deixaria Iommi e companhia orgulhosos de seu discípulo. 

O peso do Metal voltou com tudo com “Fairies Wear Boots”, com Zakk indo praticamente aos braços dos seus fãs, tocando na grade que separa público e fotógrafos. Algo lindo de se ver. Se alguém quiser saber o que é Heavy Metal mostre para ele a faixa seguinte do show, “Into The Void”. Seus pesadíssimos Riffs emocionam qualquer fã de Metal em geral. Nela podemos ver também como o Sabbath era uma banda a frente de seu tempo, pois podemos ver o impacto que a banda teve para o Doom Metal muitos anos depois. Em “Hand of Doom” Zakk aproveita e fala pela primeira vez com público e apresenta a banda com seu típico humor Black Label, arrancando risos de toda a plateia. A trinca final do show foi matadora. A começar com Behind the Wall of Sleep, uma das minhas músicas preferidas do Sabbath. E para a alegria de todos os presentes a faixa foi tocada como disco, com o famoso solo de baixo de Gezzer sendo muito bem tocado por Blasko e dando origem a “N.I.B”, onde parecia que o Circo Voador ia desmoronar, tamanha foi a comoção que essa faixa causa em todos os fanáticos fãs da banda inglesa. Para finalizar essas quase duas horas de show, temos a famosa sirene antiaérea que antecede o hino contra a guerra “War Pigs”. Nessa faixa Zakk nem precisaria ter cantado pois o público carioca cantou a plenos pulmões todas as letras desse clássico. Um final digno para mais um grande show de Zakk em território brasileiro. Agora é aguardar e vê-lo em ação com o velho Madman Ozzy ano que vêm em sua tour de despedida.




Com certeza uma homenagem digna ao pais do estilo musical que tanto amamos. Fica a certeza de que a música do quarteto inglês é atemporal e nunca será esquecida. Basta ver o que ela fez na vida de caras como o próprio Zakk Wylde. A banda pode ter acabado mas sabemos que mudou o curso da música para sempre.


                  

Set List:

Supernaut
Snowblind
A National Acrobat
Children of the Grave
Lord of This World
Fairies Wear Boots
Wicked World
Into the Void
Hand of Doom
Behind the Wall of Sleep
N.I.B.
War Pigs


Share on Google Plus

About Redação Portal

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários:

Postar um comentário